Depois do conflito, a recuperação dos amputados de Mossul

Depois do conflito, a recuperação dos amputados de Mossul
De  Monica Pinna
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews esteve num centro especializado na assistência a vítimas de explosões e de terrenos minados. Recebem assistência para um futuro melhor.

PUBLICIDADE

**Milhares de civis já receberam próteses no centro de reabilitação da EMERGENCY, em Sulaymaniyah. A Organização Não Governamental italiana Emergency abriu as instalações no Curdistão iraquiano em 1998. **

Situada próxima da fronteira com o Irão, a zona vive com a herança pesada das guerras entre o Irão e o Iraque, nos anos 80 e do Golfo, no início dos anos 90.

Hoje em dia, os pacientes chegam do Iraque, Irão e Síria e muitos são originários de Mossul. Grande parte dos acidentes relaciona-se com minas e explosões.

Passam meses desde o fim da guerra em Mossul, a terceira maior aglomeração do Iraque, depois de Bagdad e Bassorá. A cidade foi reconquistada aos jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh em julho de 2017.

Da ofensiva contra o Daesh é preciso recuperar uma cidade destruída e os habitantes afetados. Quase cinco mil pessoas encontram-se em lista de espera para receber próteses e 200  já receberam assistência.

A EMERGENCY diz que pode haver muitos mais casos desconhecidos.

E se uma prótese permite a uma vítima de uma amputação recuperar a independência., é também necessário que encontre um trabalho.

Para isso, o centro da Emergency organiza também formações, como a que seguiu Ahmed Mahamood. 

...

"Perdi a perna por causa de uma mina e vim para aqui aprender o ofício de carpinteiro para sustentar a minha família," conta à Euronews.

Para além da carpintaria, é também possível seguir formações no trabalho com peles ou na costura. Grupos de até 15 pessoas recebem um treino de cinco meses e apoio financeiro para começar um negócio.

Centenas de pessoas, vítimas de guerras e conflitos, já foram ajudadas. 

É o caso de Gulastan, que  está quase a concluir o curso de costura. Espera depois abrir o seu próprio centro.

"Tinha quatro anos quando perdi a minha perna. Estava num caso e uma viatura armadilhada explodiu perto. Sempre quis ser costureira," conta Gulastan à Euronews. 

O Curdistão Iraquiano é um dos locais mais perigosos do mundo no que diz respeito aos acidentes com terrenos minados. 

Nos últimos 25 anos, registaram-se cerca de 14 mil episódios desde tipo. Morreram mais de seis mil pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iraquiana toma conta de 22 netos órfãos

Estados Unidos lançam ataque maciço contra milícias no Iraque e na Síria

Embaixada dos Estados Unidos em Bagdade atacada com rockets