EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Caso Skripal: EUA anunciam sanções contra a Rússia

Caso Skripal: EUA anunciam sanções contra a Rússia
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em comunicado, o Departamento de Estado revelou que "os Estados Unidos determinaram em 6 de agosto (...) que o governo russo usou armas químicas ou biológicas em violação do direito internacional".

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos anunciaram novas sanções económicas contra a Rússia, depois de concluírem que Moscovo está envolvido no ataque ao ex-agente russo Sergei Skripal e à sua filha com o agente neurotóxico Novitchok.

Em comunicado, a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano disse que na sequência do envenenamento que aconteceu no Reino Unido foi determinado que a Rússia "usou armas químicas ou biológicas em violação do direito internacional”

A ligação entre Moscovo e o caso SKripal já tinha sido feita pelo Reino Unido.

Em março, logo depois do envenenamento, a primeira-ministra britânica lembrou no parlamento que a Rússia já produziu este agente neurotóxico e que ainda tem capacidade para produzir. Falou no histórico de envolvimentos de Moscovo neste tipo de ataques e disse que a Rússia vê alguns desertores como alvos legítimos de assassinatos. São factos que, para Theresa May, demonstram que “é altamente provável que a Rússia tenha sido responsável pelo ataque contra Sergei e Yulia Skripal "

Segundo informações avançadas pela NBC, as sanções económicas dos Estados Unidos à Rússia serão aplicadas em duas fases.

A primeira, mais leve, será aplicada por volta do dia 22 de agosto. A segunda fase de sanções será aplicada depois, se a Rússia não der garantias de que já não usa armas químicas ou biológicas ou não permitir inspeções no terreno.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia britânica confirma: Envenenados com a mesma toxina que Skripal

Médicos que trataram os Skripal pensavam que pai e filha não sobreviveriam

Caso Skripal: Rússia questiona declarações da Reino Unido