Última hora

Última hora

Jimmy Bennett não denunciou Asia Argento mais cedo por "vergonha"

Em leitura:

Jimmy Bennett não denunciou Asia Argento mais cedo por "vergonha"

Jimmy Bennett não denunciou Asia Argento mais cedo por "vergonha"
Tamanho do texto Aa Aa

Jimmy Bennett, o ator que denunciou um alegado caso de abuso sexual contra a atriz italiana Asia Argento, falou esta quarta-feira pela primeira vez desde a denúncia feita pelo The New York Times.

O ator admitiu que não expôs o caso mais cedo por "vergonha" e por sentir que "por ser um adolecente do sexo masculino", nao teria a mesma credibilidade.

"Eu tentei justiça de uma forma que fizesse sentido para mim na época, porque não estava pronto para lidar com as ramificações da minha história quando esta se torna-se pública.", admite Bennett. “Na época, acreditava que ainda havia um estigma de estar na situação de homem na nossa sociedade. Não achei que as pessoas entenderiam o que aconteceu a partir dos olhos de um adolescente.”, disse o ator ao The New York Times.

As palavras surgem em modo de desabafo, escritas no mesmo jornal que denunciou toda a história.

Jimmy Bennet acusa Argento de abuso sexual. Os episódios terão ocorrido há 5 anos, quando o jovem tinha 17 anos, ou seja, menor de idade.

Segundo o próprio, a atriz italiana, na altura com 37 anos, terá comprado o silêncio do ator com milhares de euros.

Argento negou qualquer o abuso sexual mas admitiu que pagou ao jovem para encerrar o caso. A atriz diz que, na altura, queria proteger a relação com Antony Bourdain, estrela de televisão, que se suicidou este ano, a 8 de junho.

"Bennet sabia que o meu namorado era um homem com uma grande fortuna e que tinha a sua própria boa reputação de figura pública a proteger. Antony insistiu em resolver o assunto de forma privada e isso também era o desejado por Bennet. (...) Decidimos lidar com compaixão perante o pedido de ajuda de Bennet e pagamos-lhe. Anthony assumiu pessoalmente a ajuda económica a Bennet sob condição de não voltarmos a sofrer intrusões na nossa vida", explicou.

A atriz admitiu não ter tido outra opção senão a de "contrariar estas falsas alegações" e tomar "a breve prazo todas as iniciativas necessárias" para se "proteger perante todas as entidades competentes".

A história tomou proporções maiores do que aquelas que se esperava, até porque a Argento, além de cineasta, é um dos rostos do movimento #metoo, em português, #eutambem, usado como denúncia e combate ao assédio sexual de mulheres.

Reuters
Asia ArgentoReuters