Mais protestos pró e anti-imigração na Alemanha

Mais protestos pró e anti-imigração na Alemanha
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os protestos prolongaram-se pela noite fora mas desta vez os surtos de violência foram contidos pelas forças policiais.

PUBLICIDADE

A agitação que se vive neste momento reflete uma divisão crescente na sociedade alemã, em reação à decisão da chanceler Angela Merkel de autorizar a entrada a cerca de um milhão de requerentes de asilo em 2015.

Os novos protestos em Berlim prolongaram-se pela noite fora mas desta vez os surtos de violência foram contidos pelas forças policiais. Um total de seis pessoas ficaram feridas e estão ainda no hospital.

No domingo passado levantou-se a questão de saber a razão porque a polícia não interveio mais cedo e porque centenas de pessoas lançaram uma caça às bruxas contra pessoas de côr e de origem estrangeira.

Surtos de violência não são estranhos à região da Saxónia, que está na origem do movimento anti-islâmico e xenofóbico PEGIDA (Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente). O movimento nasceu em Dresden em 2014.

Nos protestos de ontem, a frustração dos simpatizantes da extrema-direita, que instrumentalizam o assassinato à facada de um alemão de 35 anos ocorrida no sábado à noite para avançar a sua agenda política, era evidente, com manifestantes a gritarem slogans tais como "mais poder para a Alemanha," "liberdade para a Alemanha" e também "Merkel tem que saír," que tem sido o lema desde a crise de refugiados de 2015.

Por outro lado, ontem à noite participaram também membros de fachas partidárias anti-fascistas e de extrema-esquerda, gritando slogans como "não à propaganda nazista na Alemanha."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tensões aumentam em vésperas da deportação de imigrantes

Duas pessoas presas por tráfico de migrantes no canal da Mancha

Líder regional do partido de extrema-direita AfD é julgado por utilizar símbolos nazis