Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Arcebispo italiano acusa o Papa de ter conhecimento de abusos

Arcebispo italiano acusa o Papa de ter conhecimento de abusos
Tamanho do texto Aa Aa

No seu sermão aos fíeis na praça de São Pedro, o Papa Francisco afirmou que durante a sua recente visita à Irlanda, pediu perdão a Deus pelos crimes sexuais cometidos por membros da igreja Católica da Irlanda e outros países, e prometeu fazer tudo no seu alcançe para que tais crimes nunca se repitam.

A promessa do Pontífice contraria a carta que o arcebispo italiano Carlo Maria Viganò escreveu no dia 22 de agosto para acusar o Papa Francisco de encobrir casos de abuso sexual no seio da Igreja Católica. No seu testemunho de onze páginas, o clérigo faz múltiplas acusações concretas à igreja Católica e ao Papa Francisco. Entre estas, afirma que o Pontífice tinha conhecimento das denúncias de abuso sexual contra o cardeal norte-americano Theodore McCarrick.

A carta torna evidente o conflito crescente entre duas facções no seio da igreja entre membros reformistas, representados pelo Papa, e membros conservadores. Para muitos bispos e padres, o arcebispo Viganò é um homem honesto e íntegro que quer ter a conciência limpa e expurgar a igreja Católica de membros criminosos e corruptos.

Para membros reformistas da igreja, o arcebispo Viganò e um clérigo descontente e reprovador que guarda rancor pelo facto de não ter sido feito cardinal e que é apoiante de um grupo de cardinais que se opõem fortemente ao Papa Francisco, pretendendo com a carta lançar uma campanha ofensiva contra o Pontífice.

O clérigo norte-americano Theodore McCarrick tornou-se o primeiro cardeal da igreja Católica a renunciar à sua posição na liderança depois de serem provadas alegações de abusos sexuais de seminaristas e outros subordinados.

O Vaticano recusou comentar a carta.