Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Jean-Yves Le Drian: "Trump é um Presidente coerente"

Jean-Yves Le Drian: "Trump é um Presidente coerente"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O político franco-alemão Daniel Cohn-Bendit esteve à conversa com o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves le Drian, e o homólogo espanhol, Josep Borrell, em mais uma edição de "Uncut."

O nome do Presidente dos EUA foi tema de debate. Jean-Yves le Drian disse que Donald Trump é "um Presidente coerente" na visão da "América que vive sozinha", ainda que não partilhe a coerência do mesmo. E acrescentou: "Desde o início, começou a destruir de forma metódica todas as ferramentas de regulação do multilateralismo que existem na nossa vida neste planeta. Começou com o clima, depois passou para o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, ao Irão, retirou-se da UNESCO e agora ataca os direitos humanos. E está a começar o que podemos chamar de guerra comercial, em várias frentes: com a China, com o Canadá, com o México e também com a União Europeia. E agora começa a questionar o papel da NATO."

Durante a entrevista, Jean-Yves Le Drian falou também, entre outras coisas, da unidade europeia e da crise migratória.

Referiu que é preciso "convencer os europeus, para além dos governos, de que perante os desafios atuais, incluindo os desafios mais concretos do nosso dia-a-dia, por exemplo a questão da segurança, a única forma de enfrentá-los é através do reforço da Europa e da afirmação do poder europeu. Os vendedores de sonhos que querem convencer-nos que o fechamento em si próprio é a solução vão conduzir-nos ao caos e ao naufrágio."

A questão das migrações também foi discutida durante a entrevista com o ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, na cidade de Santander.

A este propósito Borrell sublinhou que "não se pode ser pessimista nem otimista, que é preciso ser-se pró-ativo. (...) E que é preciso alcançar consensos."

"Se não conseguimos chegar a um acordo a 27 será necessário encontrar uma cooperação reforçada entre, pelo menos, nove países. A Europa está dividida por causa da migração. A imigração, o problema migratório tem uma capacidade de danificar a União Europeia muito mais forte do que o euro", acrescentou.

Também sublinhou que nas próximas eleições haverá "duas conceções da Europa frente-a-frente. Uma conceção de uma Europa aberta ao mundo, capaz de gerir os fluxos migratórios, e uma conceção de uma Europa fechada em si mesma, que recusa a outra e que tenciona ser uma espécie de fortaleza."