Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Maré vermelha nas bolsas

Maré vermelha nas bolsas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma maré vermelha inundou as bolsas europeias esta quinta-feira. O Stoxx 600 caiu 2%. A praça portuguesa fechou a perder 0,8%, um mínimo de ano e meio.

Wal Street também abriu em terreno negativo, mas longe da forte queda do dia anterior.

O facto de a inflação norte-americana ter desacelerado em setembro e de os juros da dívida norte-americana estarem, por isso, em queda, ajudou a estancar a hemorragia.

Os dados divulgados esta quinta-feira podem aliviar a pressão sobre a Reserva Federal (FED) para aumentar as taxas de juro. Um aumento temido pelos mercados, que antecipam o fim de uma era de dinheiro barato emprestado pelo banco central norte-americano.

Com a economia norte americana a crescer, o desemprego num nível baixo e a inflação perto dos níveis definidos pela Reserva Federal, o Banco Central tem razões para agir, mas há quem discorde. O presidente dos EUA, Donald Trump, voltou a criticar a política da Reserva Federal: "Acho que a FED está a cometer um erro. Eles são tão inflexíveis. Acho que a FED endoideceu."

Mas a política da Reserva Federal é defendida pela diretora-geral do Fundo Monetário Internacional. "É claramente um desenvolvimento necessário para as economias que agora estão a crescer mais, em que a inflação está a subir ou a atingir o limiar, onde o desemprego é muito baixo. É inevitável que os bancos centrais tomem as decisões que tomam", afirmou Christine Lagarde.