Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Orçamento italiano apertado entre promessas e obrigações

Orçamento italiano apertado entre promessas e obrigações
Tamanho do texto Aa Aa

A coligação no poder em Itália admite conversar de forma construtiva com a União Europeia apesar de insistir num orçamento do Estado que vai contra as regras acordadas com os parceiros.

A abertura do executivo de Roma surgiu depois de um conselho de ministros onde foram ignoradas as críticas oriundas de Bruxelas e de o país ter sido desvalorizado pela agência Moody's devido aos objetivos de défice acima do esperado.

Matteo Salvini garante não haver nem estar a ser ponderada qualquer intenção de retirar a Itália da União Europeia nem da zona euro.

O ministro do Interior, conotado com a extrema-direita italiana, diz que os transalpinos estão confortáveis num bloco no qual pretendem apenas mudar as regras e que não existe qualquer problema à exceção da questão da fronteira com a França, para a qual promete mandar a polícia italiana para resolver os problemas.

A coligação já havia ultrapassado uma disputa interna sobre uma proposta de amnistia fiscal e agora explica que a manutenção do novo orçamento vem cumprir promessas eleitorais.

O confesso antissistema Luigi di Maio afirmou que, com o diploma fiscal elaborado, o executivo italiano confirmou de forma unânime não haver intenção de abrir contas bancárias no estrangeiro nem criar exceções penais , mas sim de reforçar um governo amigo dos mais vulneráveis.

Contudo as políticas marginais de Roma prometem elevar o défice italiano aos 2,4 por cento do PIB no próximo ano, quando o anterior governo de centro-esquerda tinha antecipado um défice de 0,8% para o próximo ano.

O desvio deve-se à intenção do governo de cumprir promessas eleitorais que exigem um aumento da despesa pública, contrariando os compromissos assumidos com a UE.

O comissário Europeu dos Assuntos Económicos, o francês Pierre Moscovici, entregou na sexta-feira ao ministro da Economia e Finanças de Itália, Giovanni Tria, uma carta com as dúvidas da Comissão Europeia em relação ao projeto de orçamento italiano.

A derrapagem italiana "não tem precedentes na história do Pacto de Estabilidade e Crescimento", escreveu a Comissão Europeia, nos excertos da carta divulgados, pedindo a Itália para responder às suas observações.

O comissário explicou que a carta expõe as inquietações da comissão sobre o défice estrutural de Itália, a sua elevada dívida pública, que supera 130% do PIB e a necessidade de o país fomentar o crescimento económico.

"O clima que temos na Europa é um clima de diálogo e disponibilidade e reiteramos que estamos confortáveis na Europa", indicou Conte.

"Estamos convencidos que não inflacionámos os números", acrescentou, em alusão às previsões governamentais de crescimento (1,5% para 2019), consideradas demasiado optimistas, quando a maior parte dos observadores, incluindo o Fundo Monetário Internacional (FMI), antecipam um crescimento de 1% no próximo ano

O governo de Roma tem até ao meio dia de segunda-feira para responder às preocupações europeias.