Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Polícias vs. polícias na Assembleia da República

Polícias vs. polícias na Assembleia da República
Tamanho do texto Aa Aa

Polícias vestidos à civil contra polícias fardados. Os protestos de milhares de elementos das forças e serviços de segurança que se fizeram ouvir de forma ruidosa esta quinta-feira, por Lisboa, culminaram com uma concentração em frente à Assembleia da República que foi tudo menos calma.

A tensão subiu gradualmente de tom e vários manifestantes acabaram por derrubar as grades que separam o fundo da escadaria do edifício. O Parlamento foi o ponto de paragem final depois de um desfile que começou na Praça do Comércio.

Em uníssono, os profissionais do setor exigiram atualizações salariais e protestaram contra a falta de efetivos ou de investimento nas forças e serviços de segurança.

"Sinto-me maltratado. Pelo Estado português, pela instituição pela qual os polícias dão sempre o melhor todos os dias", sublinhou o polícia José Lourenço.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASSP/PSP), Paulo Rodrigues, fala, entre outras coisas, em deficiências profundas ao nível da frota automóvel e do sistema informático: "Temos falta de efetivos, de meios e condições de trabalho e ainda por cima não são criadas expectativas de carreira aos profissionais."

Depois do braço-de-ferro em frente à Assembleia da República os manifestantes acabaram por desmobilizar, mas a luta, dizem, é para continuar se o Governo não responder às reivindicações.