EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Nunca o Danúbio esteve tão baixo

Nunca o Danúbio esteve tão baixo
Direitos de autor 
De  Ricardo FigueiraNóra Shenouda
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Muitos habitantes de Budapeste estão a aproveitar para fazer caças ao tesouro... e foram encontradas algumas preciosidades.

PUBLICIDADE

Moedas de ouro da Idade Média, uma granada alemã e até pedras tumulares: Todos estes tesouros foram agora descobertos na região de Budapeste, graças à baixa do rio Danúbio. O nível do rio é agora o mais baixo de sempre e chegou mesmo abaixo dos 39 centímetros.

Muitos aproveitaram para tirar fotos do chamado "rochedo da fome", que só fica visível quando o rio está muito baixo.

View this post on Instagram

River with stones #danube #ujlak

A post shared by Milo Spangberg (@real_milospangberg) on

O leito do rio é visível em muitos pontos.

As ruínas da antiga Ponte do Imperador Francisco José, na base da atual Ponte da Liberdade, estão também visíveis aos olhos dos budapestinos, pela primeira vez em muitos anos. Uma forma de os habitantes da capital da Hungria descobrirem um pouco da história da cidade. Mas estas descobertas parecem ter os dias contados.

Ruínas da antiga ponte, novamente visíveis a olho nu.

"Não há memória de o nível do Danúbio, em Budapeste, alguma vez ter sido tão baixo. Por isso apareceram tantos objetos e as pessoas de Budapeste descobriram, por baixo da Ponte da Liberdade, o que resta da antiga ponte Francisco José, que os nazis fizeram explodir. Espera-se chuva para os próximos dias, por isso esta caça ao tesouro no leito do Danúbio não vai durar muito mais tempo", explica a correspondente da Euronews na Hungria, Nóra Shenouda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está a fazer o antigo líder iraniano Ahmadinejad numa visita secreta a Budapeste?

Húngaros céticos e divididos quanto ao potencial de mudança das eleições europeias

Será que os cães entendem mesmo o ser humano? Cientistas húngaros acreditam que sim