A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cientistas europeus criam aplicação para transcrever manuscritos antigos

Cientistas europeus criam aplicação para transcrever manuscritos antigos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cientistas europeus inventaram um método simples e extremamente eficaz para transcrever automaticamente manuscritos antigos, graças à inteligência artificial.

O Arquivo do Estado de Tirol, em Innsbruck, na Áustria, é um dos parceiros do projeto READ. A instituição possui uma imensa quantidade de documentos antigos.

"Com uma escrita difícil, penso que a nova técnica não funcionará. Mas, quando se trata de um bela caligrafia, como esta, o novo sistema tem várias vantagens e é um grande ajuda", referiu Christoph Haidacher, diretor da instituição austríaca.

Pequena aplicação revolucionária

O método desenvolvido pelos cientistas do projeto europeu READ baseia-se numa pequena tenda e numa aplicação para smartphone. A partir da aplicação, o utilizador tira uma foto da página em alta resolução, cada vez que vira a página do livro.

"É uma combinação de tecnologia básica com alta tecnologia. Esta tenda é um acessório relativamente simples. Mas funciona com uma aplicação para smartphone que incorpora alta tecnologia e que está ligada à plataforma Transkribus. A aplicação descarrega a imagem no servidor e o servidor realiza o reconhecimento do texto manuscrito", explicou Guenter Muehlberger, coordenador do projeto READ e investigador em digitalização da Universidade de Innsbruck.

A plataforma Transkribus simplifica tarefas que antes implicavam anos e anos de trabalho. O professor Mario Klarer usou a aplicação para transcrever as quinhentas páginas do "Livro dos Heróis", uma antologia de textos medievais germânicos.

"A grande vantagem deste sistema é que fornece uma ligação entre a imagem e o texto e fá-lo de uma forma muito simples, o que permite ao utilizador ter imediatamente uma visão global do texto. É uma forma de diminuir o número de erros. É algo que nenhum outro sistema faz", considerou Mario Klarer, professor de literatura e história cultural da Universidade de Innsbruck.

O servidor da Universidade de Innsbruck usa algoritmos de aprendizagem automática. O utilizador transcreve uma parte do texto manualmente e a partir daí o sistema aprende a identificar os caracteres e termina a tarefa automaticamente. O nível de precisão ultrapassa os 95%. O sistema é capaz de transcrever textos em qualquer língua.

"Forneço ao computador uma imagem e uma parte do texto correspondente. Com base nesses elementos o computador aprende o tipo de escrita e os carateres similares", acrescentou Guenter Muehlberger.

O projeto europeu READ integra vários países: Áustria, Espanha, Alemanha, Suíça, Finlândia, Reino Unido e Grécia. Devido ao sucesso do projeto, a equipa pretende comercializar a plataforma no mundo inteiro.

"Ficámos surpreendidos com o grande sucesso do projeto. Estamos em contactos com imensas instituições que estão interessadas nesta plataforma. De tal modo que para expandir o serviço criámos uma nova empresa", contou o coordenador do projeto europeu.