Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Alemanha e Áustria recordam "Noite de Cristal" e condenam antissemitismo

Alemanha e Áustria recordam "Noite de Cristal" e condenam antissemitismo
Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha recordou a vítimas da "Noite de Cristal", oito décadas depois.

Os líderes germânicos reuniram-se, esta sexta-feira, numa sinagoga em Berlim, lembrando a noite de nove para dez de novembro, de 1938, altura em que o Partido Nazi promoveu uma vaga antissemita na Alemanha e na Áustria.

Angela Merkel afirmou que a Alemanha tem o dever moral de lutar contra o antissemitismo.

"Estamos chocados com os ataques a pessoas que usam kippas e chocados com os ataques radicais de extrema-direita contra um restaurante judeu em Chemnitz, em agosto deste ano. Essa é uma forma de crimes antissemitas que invocam lembranças terríveis, do início da perseguição aos judeus nos anos 30", afirma a chanceler germânica.

O Parlamento alemão assinalou a data condenando os ataques da "Noite de Cristal" que resultaram na morte de 91 pessoas e na destruição de milhares de sinagogas, casas e lojas de judeus na Alemanha e na Áustria. Mais de 30 mil judeus foram presos, sendo muitos encaminhados para campos de concentração.

Também em Viena, as autoridades austríacas condenaram os eventos daquela fatídica noite.

O chanceler austríaco afirmou que o antissemitismo deve ser combatido por todos.

"Na Áustria e na Europa, não deve haver lugar para o antissemitismo. A nossa responsabilidade histórica não termina nem na fronteira austríaca nem na fronteira europeia", disse Sebastian Kurz.

O presidente austríaco, Alexander van-der Bellen, prestou homenagem às vitimas da "Noite de Cristal" e lançou um apelo contra a intolerância. O chefe de Estado advertiu que apesar da história não se repetir, existem hoje situações e retóricas políticas, que evidenciam semelhanças com o passado.