A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Theresa May convence executivo a ratificar acordo

Theresa May convence executivo a ratificar acordo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Theresa May venceu mais uma etapa na maratona do Brexit. Após uma maratona negocial de cinco horas, a primeira-ministra britânica conseguiu convencer o Conselho de Ministros a ratificar o "acordo técnico" que tinha sido alcançado com Bruxelas para a saída do Reino Unido da União Europeia.

"A decisão coletiva do Conselho de Ministros foi a de que o Governo deve ratificar o esboço do acordo técnico e a declaração política delineada. Este é um passo decisivo que nos permite seguir em frente e finalizar o acordo nos próximos dias. Esta decisão não foi fácil, mas acredito ser uma decisão que vai ao encon tro do interesse nacional", declarou May.

No entanto as dores de cabeça para May prometem continuar. Se convencer o seu próprio executivo foi já uma tarefa bem dura, mais complicado ainda será convencer o parlamento. Apesar de ter a maioria parlamentar, a forte oposição que a primeira-ministra enfrenta dentro do próprio partido fazem com que a aprovação do acordo esteja longe de ser um dado adquirido.

Um documento de cerca de 500 páginas que define os compromissos financeiros, a mobilidade dos cidadãos, o período de transição e a fraturante questão da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte

Michel Barnier, o negociador principal da União Europeia para o Brexit, congratulou-se com a decisão do Reino Unido. "Ainda há muito trabalho pela frente. Sei que o caminho é longo e pode ser difícil para garantir uma saída ordenada e, para além da separação ordenada, construir uma parceria ambiciosa e duradoura com o Reino Unido", afirmou em conferência de imprensa.

Caso seja chumbado, volta tudo à estaca zero e regressa o fantasma de uma saída sem acordo a 29 de março. No entanto, ambos os lados afirmaram ter já um plano de contigência.