Última hora

Última hora

Casos de malária aumentam em 2017

Casos de malária aumentam em 2017
Tamanho do texto Aa Aa

Os números são muito pouco animadores. Os casos de malária voltaram a aumentar.

Foram 219 milhões, em 2017. De acordo com o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), fica assim confirmada uma inversão na tendência decrescente, que, até 2015, refletia os efeitos do combate à propagação da doença.

Quase 70% dos casos e mortes ocorreram em 11 países. À exceção da Índia, todos eles no continente africano. Comparativamente a 2016, África registou um aumento de 3 milhões e 500 mil casos.

“A Nigéria representa 25 porcento da malária no mundo, seguida pela República Democrática do Congo e Moçambique, em terceiro lugar”, esclareceu, em conferência de imprensa, o diretor do Programa para a Malária da OMS, Pedro Alonso.

Um fenómeno que tanto para a OMS, como para a organização RBM Partnership to End Malaria, tem de ser travado através de um plano de ação direcionado para cada país e abraçados pelos seus líderes. "Temos apelado aos líderes políticos, em Moçambique e noutros países afetados, para tomarem as rédeas do combate à malária e colocarem a redução da doença na agenda, nos próximos anos", defendeu Kesete Admasu, diretor executivo da instituição.

As redes mosquiteiras são a principal ferramenta na prevenção da malária, uma vez que a doença se propaga pela picada de um mosquito. No entanto, metade da população africana em risco não tem acesso a este método. Também menos casas estão a ser portegidas com inseticida e ainda se realizam muito poucos tratamentos preventivos junto das grávidas e das crianças.

A cada 2 minutos, a malária mata um criança. Em 2017, morreram 435 mil pessoas de uma doença curável e que, acima de tudo, pode ser evitada.

Com a meta de praticamente erradicar a doença até 2030, a Organização Mundial de Saúde determinou que em quatro anos, até 2020, a incidência da malária deveria reduzir pelo menos 40%. Um objetivo cada vez mais difícil de atingir.