Última hora

Última hora

Brexit gera mar de incertezas no Reino Unido

Brexit gera mar de incertezas no Reino Unido
Tamanho do texto Aa Aa

Faltam pouco mais de quatro meses para a data limite do Brexit mas ninguém parece saber exatamente o que vai acontecer a seguir. A euronews esteve no coração do Reino Unido para ouvir o que pensa a população longe dos grandes centros urbanos.

Abingdon-on-Thames é uma pequena cidade inglesa nos arredores de Oxford com pouco mais de trinta mil habitantes. O dia-a-dia segue como sempre mas a dúvida sobre o que vai acontecer no próximo 29 de março paira no ar.

No referendo de 2016, a permanência foi a opção mais votada na região. Gary Hooper é um florista na cidade e explica a sua opção:

"Penso que o comércio livre é o fator mais importante para o meu negócio, para a importação de flores. Oitenta por cento das flores no Reino Unido são provenientes da Holanda, não só as flores. Vendemos velas, vasos e outros produtos que compramos maioritariamente em Amesterdão."

Uma opinião partilhada por Paul Blachut, que chegou ao Reino Unido em busca de uma vida melhor e agora tem três lojas:

"Não sabemos o que vai acontecer, ainda não há acordo sobre nada. Espero que Bruxelas e Londres encontrem uma solução que nos permita manter a liberdade de comércio e circulação e que não nos faça pagar mais taxas e impostos alfandegários.

A Grã-Bretanha não será tão lucrativa como é agora. Muitos dos imigrantes polacos e da Europa de Leste vão regressar à Europa, para casa ou para outros países europeus. Vamos ver o que o futuro nos reserva. Espero que cheguem a acordo para manter a livre circulação."

A esperança de uns é o maior receio de outros. Para os defensores do Brexit, a recuperação do controlo fronteiriço é ponto de honra. Por isso mesmo o acordo para a saída tem desagradado quer a gregos, quer a troianos.