Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Barnier e May em "sprint" para evitar "tragédia britânica"

Michel Barnier (UE) e Theresa May (Reino Unido) promovem acordo do Brexit
Michel Barnier (UE) e Theresa May (Reino Unido) promovem acordo do Brexit -
Direitos de autor
REUTERS/ Yves Herman/ Henry Nicholls
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um dia após as trágicas antevisões do Banco de Inglaterra e do Ministério das Finanças para a economia do Reino Unido em caso de um "brexit" sem acordo, a primeira-ministra britânica voltou a apelar esta quinta-feira à aprovação do "divórcio amigável" com Bruxelas perante uma comissão de deputados da Câmara dos Comuns.

O acordo está em processo de análise pelos diversos partidos do reino e está a encontrar diversas ameaças de bloqueio à aprovação de um acordo descrito como solução única e a menos má de uma separação que, na ótica europeia, será sempre mau para ambos os lados.

Theresa May está a sentir grandes dificuldades para convencer os deputados britânicos a aprovar o que diz ser a única opção para um "brexit" mais ligeiro e isso ficou expresso no diálogo mantido com Hilary Benn, deputado do Partido Trabalhista.

Theresa May: "O acordo que negociámos é o melhor para os trabalhadores e para a economia. Honra o referendo e permite-nos aproveitar as oportunidades do Brexit."

Hillary Benn: "Haverá um pior acordo do que nenhum acordo?"

Theresa May: "O acordo que negociámos não é esse certamente. É um bom acordo!"
Hilary Benn: "Mas acabou de nos dizer que um 'não acordo' pode não ser o pior resultado porque pode haver um ainda pior. A que se referia?"

Theresa May: "Não temos na mesa um acordo que se encaixe nessa categoria."

Parlamento Europeu à espera

O negociador-chefe da União Europeia para o "brexit" reforçou em Bruxelas os apelos de Theresa May.

Perante um Parlamento Europeu quase vazio numa sessão dedicada a debater o "divórcio" com os britânicos, o francês Michel Barnier falou de um acordo em que ambos os lados vão perder, mas que é o melhor possível para todos.

"Dadas as difíceis circunstâncias desta negociação e a extrema complexidade desta saída britânica, este acordo sobre a mesa, num projeto de saída ordenada e a respetiva declaração política, é único e é o melhor possível", reiterou Barnier.

Entre os poucos deputados europeus presentes, um dos mais atentos foi o britânico Nigel Farage, um dos rostos do "brexit".

O eleito pelo nacionalista UKIP não resistiu a mais um ataque a Theresa May.

"Senhor Barnier, gostava que estivesse do nosso lado. Mesmo. Porque foi jogo, 'set' e encontro (nr.: terminologia de triunfo num jogo de ténis) para si. Talvez não acredite na sorte que teve de enfrentar um primeiro-ministro britânico que aceitou todas as exigências europeias, enquanto ao mesmo tempo tentava iludir o povo britânico. Levou-o à grande cimeira de domingo e em 38 minutos tinha tudo despachado e estavam prontos para almoçar", ironizou Farage, perante algumas palmas da respetiva bancada.

A bola está contudo agora totalmente no lado do Reino Unido. A perspetiva, por enquanto, é de que o acordo vai esbarrar na reprovação pelo parlamento britânico, ameaçando a economia britânico com um cenário tenebroso a começar logo no dia seguinte ao "brexit", isto é, 30 de março.

O Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla original), o Trabalhista escocês, os Liberais Democratas e os Verdes escoceses mostram-se unidos no propósito de se oporem ao acordo celebrado por May com Bruxelas

Theresa May deixou inclusive alguns sinais perante a comissão parlamentar de já estar a preparar um plano de contingência para a eventualidade de um "brexit" sem acordo.