Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Universidade da Europa Central admite trocar Budapeste por Viena

Universidade da Europa Central admite trocar Budapeste por Viena
Tamanho do texto Aa Aa

É já este sábado que termina o prazo para a Universidade da Europa Central (UEC), em Budapeste, chegar a acordo com o governo húngaro para continuar a funcionar no país. O braço de ferro continua mas tudo indica que a corda irá partir pelo lado mais fraco.

O executivo de Viktor Orbán tem-se mostrado irredutível na defesa da lei que impede a universidade de atribuir um diploma norte-americano na Hungria por não possuir um campus universitário nos Estados Unidos, e que muitos interpretam como perseguição política ao fundador da instituição de ensino, George Soros.

Éva Fodor é docente na UEC e lamenta a decisão de não assinar um acordo que já tinha sido negociado, acrescentando que "pela primeira vez na União Europeia uma universidade a operar legalmente e que é uma excelente instituição académica será forçada a abandonar o país."

A Universidade da Europa Central já revelou a intenção de se mudar para Viena, na Áustria, mas o primeiro-ministro húngaro acredita que o anúncio não passa de bluff.

Já o ministro dos Negócios Estrangeiros, Péter Szijjártó, nega a perseguição ao opositor do regime, George Soros, e garante que a situação é sobretudo um problema jurídico que surgiu após a aprovação de uma lei para colocar todas as universidades do país em pé de igualdade.

A posição do governo tem provocado protestos entre a população, que mostra a sua insatisfação pela potencial saída do país de uma universidade classificada entre as 200 melhores instituições de ensino da Europa.