Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": NATO, Greenpeace, Selmayr e imposto digital

"Breves de Bruxelas": NATO, Greenpeace, Selmayr e imposto digital
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu à Rússia que liberte os navios e os marinheiros da Ucrânia detidos no incidente de 25 de novembro, no Mar de Azov, e promete estar à altura das ameaças na região.

Por ocasião da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, terça-feira, em Bruxelas, Jens Stoltenberg disse à euronews que "a NATO implementou aquele que é o maior reforço da defesa coletiva desde o fim da Guerra Fria", em resposta à agressividade russa.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • A Greenpeace apela à solidariedade internacional contra a decisão de um tribunal da Eslováquia de manter 12 ambientalistas detidos até que ocorra o julgamento. Os ativistas, de cinco nacionalidades diferentes, foram presos quando protestavam, pacificamente, junto a uma empresa de mineração de lignite eslovaca e incorrem em penas que podem ir até aos cinco anos de prisão.

  • Um ativista usou uma máscara com o rosto de Mark Zuckerberg, presidente-executivo do Facebook, para exigir a aprovação de um novo imposto sobre as receitas das multinacionais do setor digital. O tema continua a dividir os Estados-membros da União Europeia que discutiram o o imposto na reunião dos ministros das Finanças, terça-feira, em Bruxelas.

  • A Provedora de Justiça Europeia, Emily O'Reilly reiterou, terça-feira, que a Comissão Europeia não respeitou, totalmente, as regras no processo de nomeação de Martin Selmayr como secretário-geral, em fevereiro de 2018. As explicações dadas pela Comissão Europeia não convenceram Emily O’Reilly, que manteve a sua posição sobre a nomeação do burocrata alemão.