A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Degelo ameaça Rússia

Degelo ameaça Rússia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Por estes dias, Iakutsk vive sob cerca de 30 graus negativos, temperaturas demasiado elevadas para a região, que, na última década, viu os termómetros subirem 2,5 graus Celsius. Um aumento indesejado naquela que é a maior cidade do mundo construída sobre pergelissolo, uma camada de subsolo que se mantém gelada durante todo o ano.

Eduard Romanov trabalha na construção civil e defronta-se diariamente com as consequências do derretimento do gelo, na região. "Há dois anos, o prédio começou a abanar e a ceder, inclinou 40 centímetros. Como resultado, esta fachada também está a desmoronar e uma das vigas das fundações do edifício começou a partir-se", explica, enquanto mostra as rachas e a deterioração de um edifício.

O degelo num território adaptado a temperaturas abaixo dos 50 graus negativos está a por em risco a cidade. Os edifícios mais antigos não foram pensados para fazer face às alterações climáticas.

"Atualmente estamos a usar vigas de 16 metros em vez das de seis, ou oito. Por isso é muito simples explicar por que estamos tão preocupados com o aquecimento global no mundo. Como consequência do aquecimento global, estamos a testemunhar a destruição do nosso pergelissolo", conta Vladimir Prokopyev, legislador local.

Muitos edifícios em Iakutsk apresentam rachas, alguns já tiveram de ser demolidos.

Na Rússia, cerca de 65% do territóriro está coberto por pergelissolo.