Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Poluição no Antártico preocupa Greenpeace

Poluição no Antártico preocupa Greenpeace
Tamanho do texto Aa Aa

Microplásticos e químicos persistentes. Foi esta a presença detetada em amostras laboratoriais de água e de neve recolhidas pela Greenpeace numa expedição recente ao Antártico, de janeiro a março deste ano.

Segundo a organização de defesa e proteção do ambiente, a região antártica é vista como uma zona longínqua e com uma natureza quase intocada, mas as análises provam o contrário. Os resultados evidenciam a contaminação até dos habitats mais remotos.

Microplásticos são pedaços desta matéria com menos de 5 milímetros de diâmetro. Os químicos industriais encontrados em amostras de neve acabada de cair explicitam a presença na atmosfera e são vastamente usados em processos industriais, que têm sido ligados a problemas de reprodução e de desenvolvimento na vida selvagem.

A Greenpeace apela à ação urgente e, segundo a organização, a União Europeia vai decidir em outubro, na cimeira da Comissão do Oceano Antártico, se aí se vai criar uma área de santuário de 1.8 milhões de quilómetros quadrados, o que seria a maior zona de proteção natural na Terra.