Última hora

Última hora

Correios da Islândia em risco de falência

Em leitura:

Correios da Islândia em risco de falência

Correios da Islândia em risco de falência
Tamanho do texto Aa Aa

Receber e enviar correio na Islândia pode ter os dias contados. A instituição tem sobrevivido aos tempos modernos, mas dificilmente consegue fazer face às obrigações financeiras.

De acordo com a lei existente, a companhia é obrigada a entregar cartas e encomendas por todo o país. O problema surge quando, por outro lado, também tem de suportar as taxas postais de países em desenvolvimento, como por exemplo, a China, sem direito a reembolso por parte do governo islandês.

Em 2016, cerca de 40% das encomendas na Islândia provieram da China, o que correspondeu a um subsídio estatal de cerca de três milhões e 400 mil euros. No ano seguinte, os correios islandeses prestaram serviços num montante superior, mas sem direito a qualquer reembolso.

Para disponibilizar novas verbas, o parlamento exige que as finanças da empresa sejam restruturadas e estar a par da saúde financeira da companhia.

Só depois de o governo ter disponibilizado 10 milhões e 700 mil euros é que os Correios da Islândia garantiram a realização de pagamentos.

Os Estados Unidos da América já manifestaram vontade de abandonar a organização internacional que determina a obrigação de assumir as taxas postais de outros países, alegando que a China não é um país em desenvolvimento e o benefício de que usufrui constitui concorrência desleal.