Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Acordo para o Brexit adiado para segunda semana de janeiro

Acordo para o Brexit adiado para segunda semana de janeiro
Direitos de autor
REUTERS/Francois Lenoir
Tamanho do texto Aa Aa

Theresa May anunciou, na Câmara dos Comuns, que a votação dos parlamentares para a implementação do acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) vai realizar-se na segunda semana de janeiro.

No entanto, o líder da oposição, opõe-se à nova data do sufrágio. Para obter uma decisão dos deputados ainda esta semana, Jeremy Corbyn anunciou que vai apresentar uma moção de censura à primeira-ministra britânica.

May tinha adiado a votação do Brexit, agendada para 11 de dezembro, admitindo a possibilidade de o documento ser rejeitado "por uma margem significativa" dos deputados. Na semana passada, esteve em Bruxelas para para obter garantias adicionais sobre o documento final do acordo, nomeadamente na questão do "backstop". O mecanismo para impedir o regresso de uma fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda tem gerado controvérsia entre os britânicos por determinar que a Irlanda do Norte permanece na União Aduaneira, enquanto não for estabelecido um novo pacto comercial entre o Reino Unido e a UE.

No entanto, os chefes de Estado europeus põem de parte qualquer reabertura das negociações. Nas conclusões publicadas no final dos trabalhos, o Conselho Europeu abriu margem apenas para acrescentar uma declaração política de boa vontade sobre evitar impor uma fronteira na ilha da Irlanda, mesmo que temporária.

Apesar de ter deixado a cimeira de Bruxelas sem concessões por parte dos 27 Estados-Membros, Theresa May afirmou, numa conferência de imprensa em Bruxelas, após a conclusão do Conselho Europeu, que ainda é possível obter esclarecimentos adicionais por parte da União Europeia sobre o mecanismo de salvaguarda da fronteira irlandesa e que, nos próximos dias, vai debater com os parceiros europeus como obtê-las. A primeira-ministra acredita conseguir obter "as garantias adicionais de que o parlamento britânico precisa para aprovar o acordo" a tempo da próxima votação.

Em resposta a May, que, esta segunda-feira, apresentou ao Parlamento britânico as conclusões do Conselho Europeu, o líder da oposição questionou a união do executivo para a concretização do Brexit.

Jeremy Corbyn, defensor da permanência do Reino Unido na UE, que recentemente admitiu a possibilidade de um segundo referendo e eleições legislativas antecipadas, acusa a primeira-ministra de ter fugido à votação da Câmara dos Comuns e de não ter conseguido um acordo que respeite os interesses dos britânicos.

O otimismo de Theresa May tem sido contestado por diversas figuras da política britânica, como Tony Blair, que, numa entrevista à Euronews, defendeu que o cenário mais provável é o de em janeiro o acordo não ser aprovado no Parlamento e partir-se para a realização de um segundo referendo, através uma extensão do Artigo 50, isto é, do alargamento do prazo para a saída do Reino Unido da União Europeia, visto não ser possível as negociações resultarem num "não acordo".

A perspetiva de um segundo referendo, bem como a de uma renegociação do Brexit com a União Europeia já foram diversas vezes refutadas por Theresa May. May, que acusou o ex-primeiro ministro de estar a minar as negociações entre o Reino Unido a UE e o líder da oposição trabalhista de estar a defender interesses partidários em detrimento do país, mantém-se firme na decisão de implementar o acordo que diz ter sido sufragado pelos britânicos, há cerca de dois anos.