Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Putin ataca Poroshenko

Putin ataca Poroshenko
Tamanho do texto Aa Aa

No final da conferência de imprensa anual, Vladimir Putin falou à Euronews. A nossa enviada, Galina Polonskaya, perguntou-lhe sobre o incidente no mar de Azov.

euronews: "A ONU aprovou uma resolução sobre a militarização da Rússia do Mar de Azov, na Crimeia e numa parte do Mar Negro. Depois do que aconteceu com os navios ucranianos no Estreito de Kerch, houve relatos que a Rússia está a fornecer equipamento militar à Crimeia. Porque é que a Rússia quer ter uma estrutura militar na Crimeia? E a Rússia está pronta para declarar toda a área naval como sendo seu território?"

Presidente russo, Vladimir Putin: "Esta foi uma provocação deliberada e uma manobra de campanha de Poroshenko. Como já mostramos através dos media, pedimos para ver o diário de bordo que dizia "para passar de forma encoberta". O que significa encobertamente? Sem o envolvimento dos pilotos, sem que ninguém saiba o que vai acontecer. E as pessoas que conduzem o jogo em Kiev, que dão as ordens, dizem-se prontas para fazer explodir a ponte. Não podemos permitir que isso aconteça.

Quanto ao regime do Mar de Azov, temos um tratado desde 2003 que afirma que a área da costa de 5 km, não de acordo com os padrões internacionais, 12 milhas náuticas, mas a 5 km da costa - estas são as águas territoriais do estado, seja a Rússia ou a Ucrânia, e o resto do mar é comum a ambos os países. Quando os nossos pescadores foram capturados, foram capturados nessas águas neutras, não entraram nas águas territoriais e ainda estão detidos, incluindo o capitão.

E euronews não se manifesta sobre o assunto, como se fosse uma prática comum. O mesmo aconteceu com outros marinheiros, incluindo a tripulação de um navio de carga. A tripulação inteira está detida nalgum lugar e ninguém está a falar sobre isso. Estamos prontos para cumprir os nossos acordos e não estamos a adotar medidas unilaterais."