A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

O Ano em Revista: para Emmanuel Macron 2018 foi um ano para esquecer

O Ano em Revista: para Emmanuel Macron 2018 foi um ano para esquecer
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Está Emmanuel Macron a perder o seu apelo dezoito meses depois de chegar ao poder?

Para o mundo, o presidente francês continua a ser um líder carismático que inspira mudança. Mas em casa os tempos têm sido difíceis para o "jovem presidente."

Na verdade, dizer que 2018 foi u m ano difícil para Emmanuel Macron é um eufemismo. Este foi o ano em que Macron enfrentou a sua primeira grande crise como Presidente da França.

Tudo começou com um escândalo que viu um dos seus assessores mais próximos, Alexandre Benalla, disfamado e afastado.

O seu governo começou depois a desintegrar-se, com as demissões em série de vários ministros e grandes aliados políticos, como o ministro do Ambiente Nicolas Hulot e o ministro do Interior Gérard Collomb.

E Emmanuel Macron ficou cada vez mais isolado - e visto como um presidente desfazado da realidade e afastado do seu eleitorado.

Enquanto o presidente tentava fortalecer a sua posição como o novo líder do mundo livre, a sua popularidade caíu para os níveis mais baixos de sempre.

O ano de 2018 chega ao fim deixando a França - e seu presidente - com mais perguntas do que respostas.