Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucrânia declara o fim da lei marcial no país

Ucrânia declara o fim da lei marcial no país
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, anunciou hoje o fim da lei marcial, instaurada em finais de novembro em diversas regiões fronteiriças ucranianas após o confronto marítimo ao largo da península da Crimeia, anexada pela Rússia.

"A lei marcial está cancelada. Esta é a minha decisão, baseada na análise da atual situação de segurança do Estado", disse, durante uma reunião do Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia.

A lei marcial foi aplicada em 10 regiões costeiras, limítrofes da Rússia - incluindo Donetsk e Lugansk, cenário de um conflito armado desde 2014 - e da Moldávia, e no mar de Azov, zonas consideradas como as mais ameaçadas por uma possível agressão da Rússia.

Na origem do novo braço de ferro entre os dois países esteve a captura de três navios ucranianos no mar de Azov pela Rússia. A lei marcial incluiu medidas como a mobilização de tropas para a fronteira com a Rússia e para os portos dos mares Negro e Azov e restrições à entrada no país de homens russos em idade militar.

"Sublinho com firmeza que a Ucrânia nunca vai deixar de utilizar os seus portos de Azov, incluindo por navios militares. A verdade está do nosso lado, a lei e o direito internacional em particular estão do nosso lado, o apoio internacional está do nosso lado e usaremos todos os meios diplomáticos", acrescentou Poroshenko.

Na sua recente conferência anual, em Moscovo, Vladimir Putin atacou Petro Poroshenko. O presidente russo acusou o homólogo ucraniano de estar a fazer uma manobra política com vista às próximas eleições de março.

O estreito de Kerch, que liga o Mar de Azov ao Mar Negro, é considerado uma área estratégica e em causa poderá estar o futuro da livre circulação marítima dos dois países na região.