Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidenciais: UE, UA e EUA pressionam Kinshasa

Presidenciais: UE, UA e EUA pressionam Kinshasa
Tamanho do texto Aa Aa

O anúncio dos resultados provisórios das presidenciais na República Democrática do Congo foi adiado para a próxima semana pela comissão eleitoral.

A União Europeia, a União Africana e os Estados Unidos pediram a Kinshasa para respeitar a escolha dos eleitores da República Democrática do Congo no escrutínio para designar o sucessor do presidente Joseph Kabila.

O governo congolês cortou o acesso à internet e a vários meios de comunicação, alegandamente para evitar a propagação de "notícias falsas".

A porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, diz que "continua a haver intimidação e assédio contra jornalistas, candidatos da oposição e defensores dos Direitos Humanos" e que teme que "estes esforços para silenciar dissidentes tenham um efeito negativo considerável, quandos os resultados forem anunciados".

A comissão eleitoral da República Democrática do Congo acusou a poderosa Igreja Católica do país de "preparar uma insurreição" ao dizer que já conhece o vencedor do escrutínio. Os resultados deveriam ser anunciados este domingo.