A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

2018 foi um dos anos mais quente de sempre

2018 foi um dos anos mais quente de sempre
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em 2018, as temperaturas globais foram 1 grau celsius mais altas do que na era pré-industrial. Vamos olhar para os dados.

A Europa esteve mais quente que a média durante todos os meses do ano passado, excepto fevereiro e março. Por outro lado, no nordeste da América do Norte e em algumas áreas da Rússia e da Ásia central as temperaturas anuais estiveram abaixo da média.

Em todo o mundo, eventos climáticos extremos causaram perda de vidas e destruição. No outono, fortes ciclones tropicais atingiram as Filipinas e o Japão.

Nova Gales do Sul, na Austrália, sofreu uma grande seca. Durante meses, os níveis de chuva permaneceram entre os mais baixos já registados.

Em agosto, quase 500 pessoas morreram após chuvas extraordinariamente altas que causaram fortes inundações no sudoeste do estado indiano de Kerala.

Um furacão no outono causou danos generalizados nos Estados Unidos depois de incêndios no verão terem devastado partes da Califórnia.

A Europa perdeu milhares de milhões na agricultura, devido a estações quentes e secas com um número de dias com sol anormalmente alto.

Com as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono a subir, o aquecimento do planeta foi um tema quente na agenda internacional. O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU convocou todas as nações a tomar medidas urgentes e eficazes para mitigar a ameaça.

Contando com 2018, os últimos quatro anos foram os mais quentes já registrados.