Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brexit: Líderes europeus pedem clarificação ao Reino Unido

Brexit: Líderes europeus pedem clarificação ao Reino Unido
Tamanho do texto Aa Aa

A rejeição do Parlamento britânico à proposta de acordo para o Brexit gerou reações imediatas entre os representantes europeus.

De Michel Barnier a Jean Claude Juncker, a expetativa passa agora por uma clarificação para o futuro.

"Agora é tempo de o Reino Unido nos dizer quais são os próximos passos. Do nosso lado continuaremos unidos e determinados em chegar a um acordo", afirmou Michel Barnier, negociador-chefe da União Europeia para o 'Brexit'.

A posição foi secundada por Guy Verhofstad, representante do Parlamento Europeu nas negociações: "Há necessidade de uma cooperação entre partidos, para que saibamos o que o Reino Unido quer e que haja uma maioria na Câmara dos Comuns a apoiar essa proposta. Se essa proposta for na direção de um relacionamento mais profundo com a União Europeia, estamos prontos para fazê-lo. Não somos contra isso, pelo contrário", explicou.

A reação do presidente da Comissão Europeia chegou através do Twitter. Jean-Claude Juncker lamentou o chumbo na votação, pediu esclarecimentos ao Reino Unido e lembrou que o tempo "está a esgotar-se" para os britânicos, em alusão ao dia 29 de março, data em que cessa o período de dois anos de negociações previsto no artigo 50 do Tratado de Lisboa.

Já Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, deixou no ar a ideia de um cancelamento do processo do 'Brexit' ao perguntar "quem terá finalmente a coragem de dizer qual é a única solução positiva" perante a impossibilidade de se estabelecer um acordo e a rejeição consensual do cenário de um não acordo.

O parlamento britânico chumbou hoje a proposta de acordo de saída do Reino Unido da União Europeia apresentada por Theresa May de forma inequívoca, com 432 votos contra e apenas 202 a favor, naquela que foi a maior derrota de sempre de um governo numa votação na Câmara dos Comuns.