Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Chechénia acusada de perseguição a homossexuais

Chechénia acusada de perseguição a homossexuais
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Chechénia lançou uma nova ofensiva contra homossexuais. Segundo ativistas da LGBT, pelo menos duas pessoas morreram e, aproximadamente, 40 pessoas foram detidas.

Estas novas alegações seguem-se a relatos que já surgiram em 2017, em que mais de 100 homens gays foram presos e submetidos a tortura, alguns chegando mesmo a morrer.

"A perseguição de homens e mulheres suspeitos de homossexualidade nunca parou. Está apenas a diminuir. Neste momento, sabemos da detenção de cerca de quarenta pessoas, homens e mulheres. Dois deles morreram em consequência da tortura", explicou Igor Kochetkov, da LGBT.

No ano passado, ativistas da LGBT ajudaram 150 pessoas a recomeçar a vida noutros locais da Rússia. Maxim Lapunov, um empresário russo de 30 anos, transformou-se na primeira pessoa a revelar a sua identidade e a dizer abertamente que foi detido e torturado na Chechénia pelo facto de ser gay.

Descreveu como foi sequestrado à luz do dia em Grozny, a capital da Chechénia, e mantido num porão ensanguentado durante 12 dias enquanto foi severamente espancado.

"O local era mesmo assustador. Tinha cerca de dois metros quadrados e a maior parte estava coberta de sangue, e um quarto da célula estava simplesmente coberta de sangue. Não era sangue de ontem ou anteontem, era fresco - o chão estava encharcado", disse Maxim Lapunov.

Apesar destes testemunhos as autoridades russas negam que os assassinatos e torturas tenham ocorrido nesta região predominantemente muçulmana, onde a homossexualidade é um tabu. O presidente da Chechénia, Ramzan Kadyrov, também negou quaisquer detenções.