Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Venezuela, um país com dois presidentes

Venezuela, um país com dois presidentes
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

A Venezuela tem desde ontem dois presidentes. O líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, autoproclamou-se Presidente interino do país: "Juro assumir formalmente as competências do Executivo Nacional como presidente interino da Venezuela".

O juramento terá sido impulsionado pelas dezenas de milhares de venezuelanos que encheram as ruas de dezenas de cidades do país para protestar contra o regime, mas parece também não ter sido surpresa para os Estados Unidos, que apoiaram o gesto poucos minutos depois, reconhecendo o líder da Oposição Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

O presidente Nicolás Maduro, que também teve manifestações a seu favor na quarta-feira, não demorou a responder: "Dedidi romper as relações diplomáticas e políticas com o Governo imperialista dos Estados Unidos. Fora da Venezuela. Já chega de intervencionismo".

Brasil, Colômbia e Perú, e também a Organização de Estados Americanos reconheceram Juan Guaidó como presidente Interino.

México, Bolívia e Rússia mantêm-se ao lado de Maduro.

A União Europeia e Portugal pedem novas eleições.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, deixa um apelo: "O que esperamos é que o diálogo seja possível e que se evite uma escalada que possa levar a um tipo de conflito que seria um completo desastre para a Venezuela, para o seu povo e para a região".

Os analistas dizem que as Forças Armadas continuam ao lado de Nicolás Maduro.

Segundo o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais, houve 14 mortes e mais de 200 detenções nos protestos das últimas 24 horas.