A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

A energia de Detroit entre passado e futuro

A energia de Detroit entre passado e futuro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O músico e cantor Foy Vance, da Irlanda do Norte, percorreu o mundo inteiro durante dez anos para promover os seus três álbuns de estúdio. Recentemente, Foy Vance viajou até aos Estados Unidos para visitar várias cidades norte-americanas e descobrir o que faz delas um destino turístico especial.

Detroit, a cidade que deu à América o automóvel e a música Soul é a última paragem de Foy Vance, à descoberta da América. "Já tinha estado em Detroit para tocar concertos, mas, a cidade está em constante revitalização. Tinha de vê-lo com os meus próprios olhos", confessou o músico da Irlanda do Norte.

A icónica editora Mowtown

A artista Dame Wilburn é uma das personalidades marcantes de Detroit, a cidade norte-americana onde nasceu a célebre editora de música Motown.

"Continuamos a ser conhecidos pela Motown em todo o mundo. Nesta cidade, há música por todo o lado. Os MC5 e Bob Seeger costumavam tocar aqui, em sítios como o Music Hall, onde tocaram Edda James e James Brown, e o Cobo Hall, onde tocaram os Kiss e há também o Cliff Bell's. A cena jazz da cidade é imensa", frisou Dame Wilburn.

A cidade do automóvel

Não é por acaso que a editora se chama Motown palavra que significa cidade do motor. Foi Detroit que deu à América o automóvel. A antiga fábrica da Ford construída em 1904 é hoje um museu onde é possível conhecer os diferentes modelos da marca.

O bairro de Eastern Market

O bairro histórico de Eastern Market é outro dos pontos incontornáveis para quem visita Detroit para conhecer a nova dinâmica da cidade.

"Atualmente, a cidade é mais maleável, mais divertida e mais criativa. Há mais coisas a acontecer e as pessoas estão a aderir a essa dinâmica. É preciso vir a Detroit e viver essa experiência. Porque Detroit não é sítio, é uma energia!", garantiu o comerciante do bairro Tommey Walker Jr.

Os restaurantes em Corktown

O bairro de Corktown é outra das zonas em ascensão em Detroit, onde abriram novos restaurantes.

"O nome Cortktown vem de County Cork na Irlanda. Foi o primeiro grande povoamento de Detroit", sublinhou Dame Wilburn.

"A primeira vez que a Cortktown fiquei com a impressão que a cidade era um paraíso para os fotógrafos devido ao requinte dos edifícios", recordou Foy Vance.

"Estes edifícios eram sólidos. Foram desenhados para que as pessoas vivessem neles. São maravilhosos e quando são restaurados ficam lindos", frisou Dame Wilburn. E acrescentou: "Cada vez que que uma cidade começa a erguer-se, começa a ter mais pessoas e mais ação, o que traz sempre mais arte. Detroit representa muitas coisas imprevistas".

Guitarras feitas de madeira de casas demolidas

A revitalização de Detroit passa sobretudo pela energia de projetos inovadores, como o de Mark Wallace que constrói guitarras a partir da madeira das casas demolidas.

"São os meus bebés. Esta guitarra foi feita com a madeira de uma fábrica da Cadillac e esta madeira vem da avenida Michigan de uma antiga fábrica de T-shirts do bairro de Corktown. Estas linhas vêm da madeira antiga. É um tipo de madeira muito diferente do que se vê agora", contou o construtor de guitarras e fundador da Wallace Detroit Guitars.

Os clubes de jazz e a hospitalidade de Detroit

O lendário clube de jazz Cliff Bell's abriu portas nos anos 30 do século XX e continua a ser um local incontornável da cena artística de Detroit. O clube de jazz norte-americano acolheu recentemente o trio do pianista Alexis Lombre, um músico de Chicago que toca piano desde os 14 anos.

"Estava à procura de uma sala de concertos. Comecei a deambular por Detroit e eles adotaram-me, foram muito generosos. Detroit é uma cidade muito querida", contou Alexis Lombre.

O músico norte-americano não esquece a forma como foi recebido em Detroit: "Eles adotaram-me, como se eu fizesse parte da família, foi lindo".

A não perder em Detroit, Michigan

1. Os clubes de jazz como o Cliff Bell's, restaurado pelo proprietário atual Paul Howard, e o Baker's Keyboard Lounge, inaugurado em 1933, por Chris e Fannie Baker e conhecido como o mais antigo clube de jazz do mundo.

2. A fábrica da Ford na Avenida Piquette é o berço do modelo T, considerado como o primeiro carro acessível às massas. A fábrica é hoje um museu sobre a história do automóvel.

3. O Comerica Park para ver o estádio de Baseball dos Tigers e o museu dedicado à história deste desporto tipicamente norte-americano.

4. O Museu Mowtown, Hitsville U.S.A, para descobrir a história da célebre editora de música Mowtown.

5. Os bairros históricos de Detroit para descobrir o estilo art-deco dos vários edifícios históricos restaurados nos últimos anos, como o Guardian Building e o Fisher Building.

A banda sonora de Detroit