A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Eurodeputados explicam "arrufo" entre França e Itália

Eurodeputados explicam "arrufo" entre França e Itália
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As negociações do vice-primeiro-ministro italiano, Luigi de Maio, com o movimento de contestação popular francês "Coletes Amarelos" levaram o presidente Emmanuel Macron a chamar o seu embaixador em Roma para obter explicações.

Uma reação inédita desde a Segunda Guerra Mundial. Dois eurodeputados falaram à euronews sobre o "arrufo" e têm diferentes diagnósticos da crise.

"A Itália e a França são como duas primas, duas irmãs. Há rivalidades entre a Liga e o Movimento 5 Estrelas. Há várias questões em jogo, mas penso que o meu país fez bem em dizer que chega de provocações ", disse Nathalie Griesbeck, eurodeputada liberal francesa.

O lado italiano aponta a questão do respeito entre iguais.

"Eu diria que é uma briga entre amigos, entre primos, na verdade. Não podemos aceitar a atitude arrogante do governo francês de considerar que pode intimidar um país parceiro", explicou Ignazio Corrao, eurodeputado eurocético italiano.

No discurso no Parlamento Europeu, terça-feira, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse que o diferendo deve ser resolvido porque os dois países querem reformar a União Europeia.

"A Itália faz parte do projeto europeu e queremos ser protagonistas de uma Europa melhor, quando o esquema de austeridade for substituído por um em que a Europa pensa nos cidadãos", sublinhou Ignazio Corrao.

Algo que Nathalie Griesbeck diz que só pode ser feito pela via do diálogo: "A diplomacia é uma ferramenta para dialogar e manter o respeito mútuo. Serve, também, para construir projetos em conjunto, especialmente a serviço dos cidadãos".