Última hora

Última hora

Juncker quer Fidesz fora do PPE, mas partido húngaro resiste

Juncker quer Fidesz fora do PPE, mas partido húngaro resiste
Direitos de autor
REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

Parece reinar a desarmonia no Partido Popular Europeu (PPE) quando começa a aquecer a campanha para as eleições europeias.

O grupo que agrega partidos do centro-direita e democratas-cristãos, tais como os portugueses PDS e CDS, não deveria albergar o húngaro Fidesz, liderado por Viktor Orbán, na opinião do presidente da Comissão Europeia.

"Orbán e eu não temos nada em comum. Por que é que deveria manter-se no meu partido, se não há pontos em comum? Deveria ser eu a sair só porque na mesa se senta alguém que rejeita tudo que eu defendo? Na minha opinião, o lugar dele não é no PPE", disse Jean-Claude Juncker, terça-feira, numa conferência em Estugarda (Alemanha).

A polémica agudizou-se no início da semana, quando o governo de Budapeste revelou cartazes a atacar Juncker que, há muito, critica o euroceticismo do primeiro-ministro da Hungria e do seu partido Fidesz.

Face à sugestão de expulsão do PPE, um eurodeputado eleito pelo Fidesz, Tamás Deutsch, contra-atacou, escrevendo no Twitter: "Juncker fracassou porque, durante sua presidência, milhões de migrantes ilegais entraram na União Europeia e o Reino Unido vai sair. O Fidesz continua a defender os princípios fundadores do Partido Popular e os valores europeus".

Gunnar Hokmark, eurodeputado sueco do centro-direita, desvaloriza a influência de Orbán no Parlamento Europeu: "Quero deixar uma coisa muito clara: Orbán tem influência zero no PPE, está politicamente marginalizado. Nunca ouvi nenhum membro do Fidesz abordar as questões da mesma maneira que Orban".

As sondagens prevêem que o Fidesz mantenha a atual dúzia de eurodeputados.

A sua saída do PPE poderia enfraquecer aquela que é a maior bancada no Parlamento Europeu, no momento em que aumenta a pressão da extrema-direita.