A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Noruega suspeita de videovigilância ilegal na fronteira com a Suécia

Noruega suspeita de videovigilância ilegal na fronteira com a Suécia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os serviços de fronteira da Noruega estão sob suspeita de videovigilância ilegal. O caso foi revelado pela estação norueguesa NRK e já levou as autoridades a apagarem milhares de vídeos.

Videogilância ilegal e violação da lei de proteção de dados são apenas duas das possíveis acusações que podem recair sobre os serviços alfandegários da Noruega.

A reportagem do canal norueguês revelou que os juristas dos serviços fronteiriços alertaram os responsáveis para a falta de sustentação legal dos procedimentos na maior fronteira terrestre da União Europeia com um país não-membro.

"É claro que isto é sério. É por isso que temos averiguações em curso por estes dias. De facto, gostaria de ter esta situação desbloqueada, mas não há dúvida de que tem de ser uma prioridade e que temos de corrigir todos os erros que descobrimos", afirmou Øystein Børmer, diretor geral dos Serviços Fronteiriços da Noruega.

Na fronteira de Svinesund, a tecnologia tem sido uma aliada nos controlos. A Noruega não pertence à União, embora esteja no mercado único, e por aqui passam todos os dias cerca de 1300 camiões de mercadorias.

Apesar de visto como um exemplo para o Reino Unido neste processo do Brexit e a questão do 'backstop' na fronteira irlandesa, a verdade é que os controlos são feitos uma única vez, mas ainda demoram uma média de 20 minutos.

E o fluxo de travessias é muito menor do que aquele que pode afetar o Reino Unido e a República da Irlanda a partir de 29 de março, a data estipulada entre o governo britânico e a União Europeia para a formalização da saída do Reino Unido.

Entretanto, as autoridades norueguesas asseguraram que estão já a tomar medidas para encerrar esta controvérsia.