Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Manifestantes aumentam pressão sobre o governo argelino

Manifestantes aumentam pressão sobre o governo argelino
Tamanho do texto Aa Aa

Na Argélia, milhares de estudantes, professores e profissionais de saúde manifestaram-se nas ruas da capital exigindo o afastamento do presidente Abdelaziz Bouteflika.

Um novo grupo de líderes dos manifestantes intitulado Coordenação Nacional para a Mudança dirigiu-se aos militares exigindo que não interfiram no processo.

O vice primeiro-ministro argelino referiu-se à situação que se vive no país durante um encontro com o ministro russo dos negócios estrangeiros.

"Trata-se de um período especial na nossa história. A peculiaridade é que a iniciativa partiu da juventude argelina que quer implementar mudanças significativas na estrutura política do país", disse Ramtane Lamamra, vice primeiro-ministro argelino.

O chefe da diplomacia russa apelou a uma resolução ordeira dos desafios que o país enfrenta.

"O principal é assegurar que os argelinos resolvam os seus problemas internos eles próprios, com base na constituição do país e no respeito a todas as normas internacionais", adiantou Sergei Lavrov durante a conferência de imprensa.

Os protestos no país duram há praticamente um mês. Na semana passada, o presidente Bouteflika, que lidera o país há duas décadas, anunciou que não se iria recandidatar ao cargo.

No entanto, rejeitou demitir-se até à adoção de uma nova constituição o que de facto implica um prolongamento do atual mandato.

Os manifestantes pretendem a renovação da elite política que é dominada pelos militares e empresários com ligações aos veteranos da guerra da independência contra a França.