EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trump sugere Brasil para membro da NATO

Trump e Bolsonaro na Casa Branca
Trump e Bolsonaro na Casa Branca Direitos de autor Reuters/KEVIN LAMARQUE
Direitos de autor Reuters/KEVIN LAMARQUE
De  Ricardo Borges de Carvalho
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente dos EUA diz que vai designar Brasil como aliado especial fora da Aliança Atlântica, mas que pode até propor a adesão do país à organização internacional

PUBLICIDADE

Donald Trump considera a eleição de Jair Bolsonaro uma façanha incrível e algo de que o mundo ainda fala. O presidente norte-americano recebeu esta terça-feira o homólogo brasileiro e revelou que está a pensar propor o Brasil para membro da Aliança Atlântica.

**"Tivemos uma ótima reunião. Como disse ao presidente Bolsonaro, pretendo designar o Brasil como um aliado especial fora da NATO ou, possivelmente, se pensarem nisso, talvez como um aliado da NATO. Tenho de conversar com muita gente, mas talvez como um aliado da NATO, o que iria avançar muito a segurança e cooperação entre os nossos países."
**

Os dois presidentes têm visões comuns sobre várias questões e Jair Bolsonaro diz que, pela primeira vez, o Brasil tem um líder que não é antiamericano. Por isso mesmo, acrescenta que é tempo da relação entre os dois países se tornar mais próxima.

"O Brasil e os Estados Unidos também estão emanados na garantia das liberdades, no respeito à família tradicional, no temor a Deus, Nosso Criador, contra a ideologia de género, o politicamente correto e as fake news."

O encontro entre ambos começou com uma troca de camisolas e com Donald Trump a dizer que apoia a entrada do Brasil na OCDE, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stoltenberg quer convencer Trump do valor da NATO

Trump usa pela primeira vez veto para defender muro

Bolsonaro diz que democracia e liberdade dependem dos militares