Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Os crocodilos e os "40 magníficos" da Beira

Alguns dos crocodilos da quinta de Manuel Guimarães a norte da Beira
Alguns dos crocodilos da quinta de Manuel Guimarães a norte da Beira
Tamanho do texto Aa Aa

É uma das histórias de bravura e coragem na tragédia do ciclone Idai em Moçambique. Quarenta homens, já batizados como "os 40 magníficos", abdicaram de estar com as respetivas famílias durante a passagem da tempestade para salvar um negócio, mas ao mesmo tempo, sem o saberem ainda na altura, para evitar uma tragédia ainda pior.

Os "40" tinham por missão evitar a fuga de 26 mil crocodilos de uma quinta em Nhangau, no distrito da Beira. Não muito longe, outros homens tentaram salvar o maior número de animais de uma exploração de pecuária.

Um deles salvou duas mil cabeças de gado, mas não volta a ver com vida nenhum dos quatro filhos, com idades entre os dois e os 11 anos, que perdeu com o Idai. O "senhor João" é um dos que Manuel Guimarães, o proprietário de 63 anos de ambas as quintas, nunca irá esquecer.

“É graças a esses 40 homens que não sofremos uma desgraça na empresa porque 26 mil crocodilos representam muitos milhares de dólares. Mas também evitaram uma desgraça para a população. Já viram o que era 26 mil crocodilos por aí à solta? Seria terrível", admitiu Manuel Guimarães, em declarações à agência Lusa.

O patrão das duas explorações de animais fez questão de expressar um agradecimento especial a "a estes '40 magníficos' da quinta dos crocodilos e à malta da Agripec, a quinta dos bois. Foi por eles que não perdemos mais animais. Infelizmente, o senhor João perdeu quatro filhos", lamentou.

Na quinta-feira, 14 de março, Manuel Guimarães chamou os empregados e pediu-lhes para o ajudarem a preparem-se para os fortes ventos esperados com a chegada a terra do ciclone Idai.

Os empregados reforçaram as muralhas, em especial as situadas junto aos tanques dos crocodilos, com placas de zinco e não arredaram pé. Nem mesmo para se juntarem às famílias durante a intempérie.

Durante duas noites, os "40 magníficos" mantiveram-se ali, a controlar a queda de árvores sobre os tanques, a evitar a derrocada das muralhas e a temida evasão dos crocodilos, alguns de tamanho bem considerável.

O ciclone já passou há mais de uma semana, mas Manuel Guimarães ainda não consegue conter as lágrimas quando recorda o esforço dos empregados para lhe manter o negócio. Alguns, como o "senhor João", com custos bem altos e irreparáveis.