Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Operação "Sophia" no Mediterrâneo perde os barcos

Operação "Sophia" no  Mediterrâneo perde os barcos
Direitos de autor
REUTERS/Darrin Zammit Lupi
Tamanho do texto Aa Aa

Os dois navios de guerra da missão militar "Sophia", no mar Mediterrâneo, vão deixar o local a partir de 1 de abril, apesar de terem salvo 45 mil vidas, desde 2015, e darem apoio à guarda-costeira da Líbia.

Apenas aviões vão fazer vigilância para travar o tráfico de pessoas e o naufrágio daqueles que procuram refúgio ou melhor vida na União Europeia.

O Serviço Europeu de Ação Externa prevê menor eficácia nos próximos seis meses, segundo a porta-voz, Maja Kocijancic: "A operação "Sophia" é de natureza marítima e é obvio que, sem capacidade naval, a operação não será capaz de implementar, eficazmente, o seu mandato".

O governo italiano, que tem o comando-geral de operações e que é profundamente anti-migração, não conseguiu convencer outros países a partilharem o esfoço.

França, Espanha e Alemanha foram alguns dos Estados-membros que recusaram o desembarque nos seus portos ou a redistribuição de pessoas de forma organizada e sistemática.

Depois de já terem sido banidos os barcos das organizações não-governamentais, esta decisão choca a Amnistia Internacional, disse o investigador Matteo de Bellis: "Temos pela frente duas possíveis realidades. Uma é que as pessoas não serão salvas porque não há navios a fazer resgate no mar".

"A outra é que as pessoas serão interceptadas pelo exército da Líbia e levadas de volta para esse país, que as coloca em centros de detenção. Recentemente, ficou provado que aí ocorrem muitos casos de tortura, assassinatos, violência sexual e exploração de todos os tipos", acrescentou.

Em 2018, cerca de 112 mil pessoas levaram a cabo travessia, tendo morrido afogadas cerca de 2300. Este ano já morreram quase 300.