Última hora

Última hora

Seis cidades finlandesas funcionam em rede

Seis cidades finlandesas funcionam em rede
Tamanho do texto Aa Aa

As seis cidades mais importantes da Finlândia trabalham em rede em dezenas de projetos para serem mais sustentáveis e mais humanas. A euronews esteve nas cidades de Oulu e Helsínquia para ver como funciona a rede finlandesa intitulada 6 cidades.

Um serviço de carros elétricos partilhados foi um dos projetos implementados pela rede finlandesa. O sistema chama-se Drive Now. O utilizador paga dois euros para desbloquear o carro e alguns cêntimos por minuto de utilização.

"Costumava usar este serviço uma vez por mês quando precisava fazer apenas um percurso de ida. É muito prático porque não é preciso devolver o carro, podemos estacioná-lo por todo o lado", contou Ville Nousiainen, residente em Helsínquia.

Além do sistema de carros partilhados, o projeto finlandês 6 cidades propõe toda uma série de iniciativas comuns a vários territórios. O projeto conta com a participação de dezenas de empresas.

Um cidadão em cada três, na Finlândia, beneficia desta rede de mais de 50 projetos. O custo total da iniciativa ronda os 100 milhões de euros. Metade do valor é financiado pela Política Europeia de Coesão.

A União faz a força na Finlândia

Uma vez por mês, os representantes das seis cidades reúnem-se em Helsínquia para avaliar os projetos. Há sempre novas ideias em teste. Este ano, as duas áreas em destaque são a eficiência energética e a economia circular. Mas, há também iniciativas na área da saúde e da educação.

A cidade de Oulu é uma das seis parceiras da rede finlandesa. Os estudantes de Oulu testam atualmente três projetos, um deles é uma ferramenta digital. A aplicação Breikkeri foi testada por alunos de oito anos durante as aulas de matemática.

"Apercebemo-nos que se aumentarmos a alegria e o lado lúdico, a aprendizagem melhora", disse Sanna Virtanen, fundadora da aplicação educativa.

A aplicação está a ser usada em 120 escolas finlandesas. Quando um dos projetos da rede funciona bem, passa a ser aplicado noutros lados.

"Somos uma escola piloto e outras escolas finlandesas podem ver o que fazemos, o que é positivo também para as empresas envolvidas no projeto. Vamos continuar a trabalhar até ao final de 2019 e espero que continuemos a a fazê-lo depois", afirmou Matti Ahola, diretor da Escola Hintan Koulu, em Oulu.