Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

As eleições europeias e as incertezas do "Brexit"

As eleições europeias e as incertezas do "Brexit"
Tamanho do texto Aa Aa

O dia 23 de maio não é uma data que muitos cidadãos do Reino Unido terão marcado no calendário como um dia de eleições. Disseram-lhes que "Brexit significa Brexit", logo não teriam de participar no escrutínio europeu.

Contudo, perante o caos que está a ser a saída do Reino Unido da União Europeia, o Governo de Theresa May teve de fazer planos para participar nas eleições. As medidas legais necessárias foram tomadas e os partidos estão a entrar em campanha.

Dos 751 assentos do Parlamento Europeu, o Reino Unido ocupa 73, distribuídos pelos seus quatro países, de acordo com a representatividade populacional.

O sistema eleitoral de representação proporcional da União Europeia favoreceu partidos menores, e o Partido pela Independência do Reino Unido, vulgo UKIP, na época liderado por Nigel Farage, venceu a votação em 2014.

O partido eurocético tem, atualmente, 24 assentos, mais quatro do que os Trabalhistas e mais cinco do que os Conservadores.

O UKIP continua a ser uma força disruptiva no parlamento e Nigel Farage, que agora lidera novo partido Brexit, alertou os eurodeputados...

"Querem mesmo que o Reino Unido realize as eleições europeias, mande de volta, para o Parlamento Europeu, um grande número de deputados, pró-saída, numa altura em que se luta contra o populismo, como vêem, em todo o continente? Querem-me mesmo de volta? Neste lugar?", questiona Farage.

Um escrutínio recente, no País de Gales, mostrou que trabalhistas e conservadores têm motivos para estarem receosos. Ambos perderam votos para os partidos pró e anti-Brexit.

E isso poderá reproduzir-se nas eleições de maio, com o novo Grupo Independente, europeísta, prometendo a colocação de candidatos.

Seja qual for o resultado, não é o que a Grã-Bretanha ou Bruxelas preparam ou querem que conta. Foram feitos planos para redistribuir os assentos do Reino Unido entre os atuais e futuros membros da União Europeia, e agora estão a ser planeadas contingências para lidar com a retirada dos eurodeputados britânicos se e quando o "Brexit" for finalmente concluído. Só então começará a era pós-britânica do Parlamento Europeu.