A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Empresa polaca cria colunas vertebrais em impressoras 3D

Empresa polaca cria colunas vertebrais em impressoras 3D
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os especialistas em neurocirurgia e coluna vertebral têm um novo aliado: implantes em 3D. São concebidos e construídos numa empresa polaca, a FfC.

A vida é movimento, Karolina Swiecicka sabe bem disso. Tem 26 anos e está no hospital militar em Wroclaw, na Polónia. Foi incentivada a andar algumas horas depois de passar por uma cirurgia espinhal. A ex-ginasta colocou um implante nas vértebras lombares feito com uma impressora 3D.

"Tive um acidente quando era criança. Inseriram-me um implante entre a vértebra L5 e a S1. Espero que no futuro tenha uma vida normal", conta-nos Karolina.

A solução de Implantes médicos na espinha através de uma impressora 3D já chegou a 75 mil pessoas em todo o mundo, segundo dados fornecidos pela empresa.

O projeto "A espinha dorsal do futuro" teve um orçamento total de quase 8 milhões de euros, 60% dos quais foram financiados pela política de coesão da União Europeia.

Onde são feitos?

Os implantes são fabricados na FdC, empresa em Zielona Góra, uma cidade perto da fronteira com a Alemanha. Na empresa trabalham 60 pessoas. Desenham, fabricam prótotipos, tudo à medida exata de cada corpo e tudo à imagem de cada espinha dorsal.

Para este tipo de cirurgia, sensível e delicada, todo o cuidado é pouco. Por isso, a empresa também cria instrumentos médicos para os cirurgiões usarem no procedimento.

Pawel powchowiz, vice-diretor da LfC, mostrou-nos vários instrumentos criados para serem usados nas intervenções.

"Este instrumento é para a coluna lombar, é projetado para medir o espaço intervertebral. De acordo com este instrumento, o médico escolhe o tamanho adequado do implante.", disse.

De volta à clínica, os pacientes são avaliados em várias consultas. Os neurocirurgiões estudam o problema e arranjam uma solução para cada paciente, solução produzida na fábrica de modelagem.

"O próximo passo será o chamado 'fator medicamente personalizado', o que significa que os implantes de coluna serão produzidos numa impressora 3D para cada paciente, levando em conta a sua anatomia e morfologia pessoal.", conta-nos Bogdan Czapiga, neurocirurgião que usa esta técnica 3D.

O caso de Marek Glizczunki

Já passaram cinco semanas desde que um implante foi inserido no pescoço de Marek Glizczunki, o qual tinha perdido a sensibilidade das mãos. Os sintomas revelaram um problema na vértebra.

"Depois da cirurgia, sinto-me muito melhor. Tenho muita mais sensibilidade nas mãos. Já consigo apertar a mão a alguém com mais força. Quero voltar às minhas acrobacias e aproveitar a vida.", contou-nos o paciente.