Brunei mantém morte por apedrejamento como punição de sexo homossexual

Brunei mantém morte por apedrejamento como punição de sexo homossexual
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O país asiático de maioria muçulmana pediu "tolerância e compreensão" para com o desejo de manter os "valores tradicionais".

PUBLICIDADE

O Brunei volta a defender a decisão de aplicar pena de morte por apedrejamento a quem se envolva em sexo homossexual.

Numa carta de quatro páginas aos deputados do Parlamento Europeu, revelada esta segunda-feira pelo jornal britânico The Guardian, o país justifica a medida com o desejo de preservar os "valores tradicionais" e a família, apelando à "compreensão e tolerância" europeias.

A mensagem para Estrasburgo garante ainda que as condenações serão raras porque a nova lei prevê a necessidade de "dois homens de elevado estatuto moral" e "piedosos" como testemunhas.

A antiga colónia britânica considerou sempre a homossexualidade ilegal desde que se tornou independente em 1984.

O novo código penal, que entrou em vigor no passado dia 3, foi já censurado por diversos países europeus e pelas Nações Unidas.

O documento prevê ainda a aplicação de chicotadas a quem recorra ao aborto ou até a quem use roupas habitualmente conotadas com o sexo oposto.

Outras fontes • The Guardian

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brunei: morte por lapidação para homossexualidade e adultério

George Clooney e Elton John apelam ao boicote a hotéis do Brunei

Novo governo polaco traz esperança à comunidade LGBT