Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brunei: morte por lapidação para homossexualidade e adultério

Brunei: morte por lapidação para homossexualidade e adultério
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar dos protestos internacionais, a reforma do código penal que prevê a pena de morte para punir a homossexualidade e o adultério entra em vigor esta quarta-feira no sultanato do Brunei.

Neste pequeno território asiático de 450 mil habitante,s a aplicação da charia, a lei islâmica, atinge o paroxismo. A partir de agora a pena para adúlteros e homossexuais é a morte por lapidação. A lei prevê ainda a amputação de uma mão ou de um pé por crimes de roubo.

O Brunei, dirigido de forma autoriária pelo sultão Hassanal Bolkiah, torna-se no primeiro país da Ásia a aplicar a forma mais dura da xaria, como acontece na Arábia Saudita.

A Amnistia Internacional exorta o país a não aplicar a lei, as Nações Unidas e diversos países ocidentais condenaram esta política contrária aos Direitos Humanos.

George Clooney e diversas estrelas do mundo do cinema e da música apelaram ao boicote dos nove hotéis de luxo, em cidades ocidentais, ligados ao sultão.

Diversos observadores vêm nesta aplicação da xaria uma forma de Hassanal Bolkiah reforçar a sua imagem junto das elites mais conservadoras do sultanato, numa altura em que a economia do país, que dependente do petróleo e do gás, dá sinais de abrandamento.