Última hora

Última hora

Seca e incêndios assolam a Europa

Seca e incêndios assolam a Europa
Tamanho do texto Aa Aa

O cenário é desolador na região de Zabaikalsky, no sudeste da Sibéria.

Os incêndios dos últimos dias atingiram cerca de 20 localidades e, segundo os "media" locais, mais de cem habitações foram devoradas pelas chamas deixando mais de 640 desalojadas.

Há registo de 34 pessoas feridas, quatro estão em estado crítico. Estima-se que mais de 11 mil animais de criação tenham perecido.

As chamas lavram, também, sem controlo no sul da Noruega. Cerca de 150 habitações da localidade de Sokndal tiveram de ser evacuadas.

"É exigente. O que é desafiador aqui é o vento, mas montamos, finalmente, uma organização com a ajuda de uma equipa de proteção e da defesa civil. Todos os bombeiros da região estão a contribuir. Todas as equipas estão a fazer um esforço incrível", sublinha o chefe dos bombeiros da região de Rogaland, Nils Egil Hågerund.

A seca e as elevadas temperaturas, para a época, que se fazem sentir na Europa, deram origem a vários incêndios, também, na Polónia, Suécia, Reino Unido e Alemanha.

O Serviço Meteorológico germânico alerta que, a manterem-se os baixos índices de pluviosidade, a situação pode complicar-se, ainda mais, este verão.

A meteorologista Christina Koppe, refere que "é bem possível que se repita, este ano, uma seca semelhante à do último verão, ou possa piorar ainda mais. A razão é que atualmente temos uma humidade do solo relativamente baixa para esta estação e, portanto, temos condições iniciais piores. "

Em Portugal, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, mais de 45% do território nacional regista uma seca moderada, enquanto 37,6% do país está já em seca severa.

O caudal do rio Tejo está em níveis mínimos, preocupando autarcas, ambientalistas e pescadores.

Quanto a incêndios, registaram-se mais de dois mil fogos nos primeiros três meses do ano, com maior incidência nos distritos do Porto e de Vila Real.