Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Chuvas intensas travam assistência humanitária

Moçambique depois do ciclone Kenneth
Moçambique depois do ciclone Kenneth -
Direitos de autor
REUTERS/Mike Hutchings
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

São já mais de 40 os mortos, vítimas do ciclone Kenneth, em Moçambique. Depois da chuva torrencial, o desabamento de terras numa lixeira em Pemba provocou mais seis vítimas. Com os 603 mortos confirmados do ciclone Idai, fazem do último mês um dos mais mortíferos em Moçambique, desde a guerra civil.

Várias organizações humanitárias no terreno lutam agora contra o tempo pare evitar novas epidemias e fome.

As Nações Unidas descrevem o cenário, agravado pela chuva intensa dos últimos dias, como catastrófico.

Em conferência de imprensa em Genebra, a porta-voz da Organização Meteorológica Mundial diz que a causa desta sequência de tragédias está identificada.

Clare Nullis afirma que "os efeitos do Kenneth, tal como os efeitos do Idai, foram intensificados pelas alterações climáticas e a subida do nível do mar".

Em Moçambique, a chuva continua a cair o que obriga as equipas de emergência a parar com muita frequência, atrasando a operação e a chegada da ajuda a todo o país.