A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Pescadores dinamarqueses unem-se para sobreviver face aos gigantes

Pescadores dinamarqueses unem-se para sobreviver face aos gigantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Para sobreviver face aos gigantes da indústria, uma comunidade de pequenos pescadores do noroeste da Dinamarca aposta na diversificação da economia ligada ao mar e em práticas que protegem o oceano.

"A pesca de arrasto está a destruir o fundo do mar. As nossas redes ficam à superfície um ou dois dias e depois puxamo-las. Não destroem nada", explicou Jan Olsen, presidente da Associação dos Pescadores de Thorupstrand.

A pesca artesanal desempenha um papel fundamental em muitas regiões europeias. No Mediterrâneo e no Mar Negro, a pesca de pequena dimensão representa mais de 80% da frota pesqueira e emprega mais de 60% dos trabalhadores do setor. Nos últimos sete anos, a União Europeia atribuiu 212 milhões de euros aos pequenos pescadores europeus para projetos de marketing e diversificação económica.

A política de quotas prejudicou os pequenos pescadores

Os barcos de madeira dos pescadores de Thorupstrand, na Dinamarca, são uma tradição anterior aos Vikings. Mas, nas últimas décadas, o mundo da pesca sofreu transformações profundas que afetaram as comunidades piscatórias e contribuíram para a sobrepesca. A Dinamarca perdeu muitos pescadores independentes há dez anos quando optou por uma política de quotas que favorece a pesca industrial. Muitos pequenos pescadores venderam os barcos e abandonaram a pesca.

"No primeiro ano, 25% da frota desapareceu. Só no primeiro ano! Nos primeiros dois anos, o preço desse tipo de barcos aumentou 1000%", contou Thomas Højrup, presidente da Guilda da Pesca Costeira de Thorupstrand.

Sistema favorece gigantes

O preço exorbitante das embarcações afastou os jovens pescadores. Os grandes industriais da pesca passaram a dominar o setor. Face a um futuro pouco promissor, um grupo de pescadores de Thorupstrand decidiu agir coletivamente.

"Eles reuniram-se muitas vezes para debater. A maioria decidiu criar uma cooperativa, para tentar comprar quotas e geri-las em comum, o que permitiu aos jovens pescadores participar na cooperativa e partilhar essas quotas. Foi isso que eles fizeram", explicou Mathilde Højrup Autzen, antropóloga do Centro para os Modos de Vida Sustentáveis.

A ajuda dos Fundos Europeus

Graças ao esforço coletivo, a comunidade de pescadores salvaguardou o seu direito à pesca e preservou os barcos de madeira dinamarqueses.

"Muitas pessoas vêm aqui para tocar nos barcos e sentir a madeira", contou Pipsen Monrad Hansen, investigadora do Centro para os Modos de Vida Sustentáveis.

Com os fundos europeus, a cooperativa construi um estaleiro e formou artesãos, estimulando a economia local.

"É positivo e não apenas para os pescadores, mas também para os construtores de barcos e para toda uma série de atividades que criam empregos aqui. O estaleiro e as coisas que fazemos aqui também estimulam o turismo, as pessoas querem vir aqui para ver", acrescentou a investigadora.

Consumidores apoiam pescadores locais

A procura por parte dos consumidores de uma alimentação mais sustentável favoreceu o negócio do grupo de pescadores apoiado pela União Europeia. A cooperativa de pescadores diversificou as atividades, abrindo uma peixaria e um restaurante.

"A diferença entre o peixe pescado por arrasto e o nosso peixe é de cerca de dois euros por quilo. Para mim, não é caro, é o preço justo tendo em conta o trabalho que dá e a qualidade do produto", disse Janni Olesen proprietária da peixaria.

A aldeia dinamarquesa deverá vender os seus produtos em Copenhaga. Graças à cooperativa os pescadores dinamarqueses conseguiram aumentar os rendimentos, preservar os saberes e tradições locais, sem destruir os fundos marinhos.

"Este projeto representa sustentabilidade ambiental e sustentabilidade para as pequenas aldeias piscatórias da costa da Dinamarca, que têm vindo a desaparecer completamente. Espero que possam sobreviver. Acho que vão consegui-lo e podem inspirar outras aldeias a continuarem o bom trabalho", concluiu Simon Biggas Møller, cozinheiro e vendedor de peixe em Thorupstrand.