Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Uma aldeia de pescadores à procura de futuro

Uma aldeia de pescadores à procura de futuro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na Dinamarca, uma comunidade de pescadores de Thorupstrand decidiu criar uma cooperativa para poder fazer face à concurrência da pesca industrial.

A euronews entrevistou uma antropóloga dinamarquesa especialista na comunidade piscatória de Thorupstrand.

“Sou antropóloga social e estou a fazer um doutoramento sobre a pesca artesanal na Dinamarca. Moro em Thorupstrand e passsei uma parte da minha vida em Thorupstrand. É uma comunidade fantástica. É algo muito especial ter um local como este onde há muitas atividades durante o ano todo. Quando a Dinamarca optou por privatizar o acesso aos direitos de pesca, houve uma rápida concentração dos direitos de pesca em unidades cada vez maiores. Grande parte da frota pesqueira de pequena dimensão perdeu o acesso aos recursos piscatórios. Muitos pequenos portos como este perderam as suas comunidades de pescadores", contou Mathilde Højrup Autzen.

A geração mais jovem constatou que a partir de agora já não basta herdar um barco.
Mathilde Højrup Autzen
antropóloga dinamarquesa

"Basicamente, o Estado decidiu dar os direitos sobre os recursos piscatórios aos proprietários individuais de embarcações. Ou seja, as gerações futuras perderam o acesso ao mar e passaram a precisar de comprar quotas muito caras, algo impossível para as gerações mais jovens. Muitos pescadores das pequenas aldeias piscatórias venderam as suas quotas de pesca às grandes empresas do setor e as comunidades locais acabaram por morrer, a pesca desapareceu. Talvez tenha sido substituída pelo turismo, ou por outras atividades, mas, a pesca desapareceu. A geração mais jovem constatou que a partir de agora já não basta herdar um barco, porque tudo isto representa muito dinheiro. Eles sentiram-se ameaçados e foi por isso que se juntaram para debater e ver o que poderiam fazer para salvar a comunidade e preservar os seus direitos de pesca ”, explicou a antropóloga dinamarquesa.