Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Maduro desafia oposição com eleições antecipadas

Maduro desafia oposição com eleições antecipadas
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs a antecipação das eleições legislativas, previstas para 2020, como forma de encontrar uma “solução pacifica” para a crise que afeta o país e desafiou a oposição a ir a votos.

“Vamos avaliar-nos eleitoralmente, vamos a eleições antecipadas da Assembleia Nacional para ver quem tem os votos e ver quem ganha”, disse Nicolás Maduro.

A Assembleia Nacional (parlamento) é o único órgão no qual a oposição tem maioria na Venezuela desde 2016, quando o partido no poder perdeu a maioria dos lugares depois de uma vitória da oposição.

Desde então, o Supremo Tribunal declarou que os atos do parlamento são nulos e em 2017 Maduro avançou com a formação de uma Assembleia Nacional Constituinte, composta apenas por apoiantes do Governo, que assumiu as competências exclusivas do parlamento.

Formada em 2017 e tendo apenas partidários de Nicolás Maduro, a Assembleia Constituinte anunciou também a extensão de funções até ao fim de 2020. A medida foi aprovada por unanimidade e anulou a deliberação inicial, que previa o funcionamento somente até agosto de 2019.

"Os plenos poderes da nação e o símbolo irrevogável da vontade democrática e soberana do nosso povo vão continuar na Assembleia Nacional Constituinte pelo menos até 31 de dezembro de 2020", afirmou Diosdado Cabello, presidente do organismo.

Ao mesmo tempo, a oposição tenta jogar além-fronteiras. Carlos Vecchio, um opositor do governo de Maduro reconhecido pelos Estados Unidos da América como embaixador venezuelano, esteve com responsáveis do Pentágono a pedido de Juan Guaidó.

O autoproclamado presidente interino tem alimentado a ideia de pedir ajuda militar externa para derrubar Nicolás Maduro e este gesto insere-se nessa estratégia.