Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Conselho da Europa alerta para corrupção em Malta

Conselho da Europa alerta para corrupção em Malta
Direitos de autor
REUTERS/Darrin Zammit Lupi
Tamanho do texto Aa Aa

Em outubro de 2017, Caruana Galizia era assassinada em Malta, ao seguir num carro que explodiu. Mais de um ano e meio depois, as autoridades ainda não identificaram os autores morais do crime.

A morte da jornalista, que na altura investigava casos de corrupção no governo maltês, veio expor o lado negro deste membro da União Europeia, que é também um paraíso para apostas online e finanças offshore.

"O Primeiro-Ministro é todo-poderoso, ele nomeia juízes, magistrados, quase todos os órgãos de supervisão. O Parlamento é muito fraco porque todos os deputados do partido do governo ... recebem salários bastante baixos. Ou são ministros ou têm grandes contratos do governo. Portanto, não há um sistema equilibrado. E cabe a Malta consertar isso ", defendeu o relator do Conselho da Europa, Pieter Omtzigt.

O relatório elaborado pelo Conselho da Europa identifica ainda o risco de lavagem de dinheiro e venda de passaportes proveniente do gabinete do primeiro-ministro Joseph Muscat.

Para o advogado da família de Caruana Galizia, Jason Azzopard, a mensagem que querem deixar ao governo é clara: "não deixaremos que as pessoas que ordenaram o assassinato fujam. E não permitiremos que os que estão no poder usem o dinheiro, dinheiro corrupto, para violar ou derrubar os nossos direitos democráticos. E iremos triunfar".

Três pessoas foram detidas por envolvimento no assassinato de Caruana Galizia, mas até ao momento nenhum suspeito foi a julgamento. A prisão preventiva termina em dois meses. Dois dos três detidos alegam que o Conselho da Europa ignorou a presunção de inocência.

O caso está longe de ter terminado. Corinne Vella, irmã da jornalista, continua a exigir justiça. "Quero justiça para a minha irmã, quero justiça para as investigações que fez e quero que nenhum outro jornalista volte a ser assassinado por revelar corrupção no governo. E isso só será alcançado se Malta aprender com as falhas", afirma.

O Conselho da Europa quer que Malta implemente todas as recomendações do relatório. O passo seguinte é a votação na sessão plenária, em Estrasburgo, no final de Junho.