Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Candidatos à sucessão de Theresa May lançam campanhas

Candidatos à sucessão de Theresa May lançam campanhas
Tamanho do texto Aa Aa

No Reino Unido mais candidatos lançaram campanhas na corrida à sucessão de Theresa May.

No total existem dez candidatos do Partido Conservador que querem ocupar o cargo deixado vago na sexta-feira passada pela primeira-ministra em exercício, Theresa May.

A antiga líder da Câmara dos Comuns, Andrea Leadsom, apresentou a sua candidatura esta terça-feira. Leadsom afirma que sair da União Europeia no final de outubro é mandatório.

"Na minha opinião, o próximo primeiro-ministro deverá ter um plano claro para uma saída ordenada no final de outubro. Deverá ter a capacidade negocial para cumprir isso e, acima de tudo, deverá ter uma visão positiva do próximo capítulo da história da nossa grande nação. É isto que tenho a oferecer ao Reino Unido", afirma.

O ministro do Interior, Sajid Javid, igualmente na corrida, manteve-se determinado em sair da UE no final de outubro, com ou sem acordo.

"Tenho sido muito claro relativamente a isso. Todos queremos chegar a um acordo, esse é o meu objetivo, mas se chegarmos ao final de outubro e a escolha for entre ausência de acordo ou permanecer na União Europeia, eu escolho ausência de acordo", disse Javid esta terça-feira.

O antigo ministro dos negócios estrangeiros, Boris Johnson, é o favorito entre os membros do partido conservador. Tudo sugere que Johnson lançará a sua campanha esta quarta-feira.

Na quinta-feira, terá lugar a primeira ronda de votações que se sucederão durante as próximas duas semanas até emergirem dois candidatos. A escolha final será colocada aos cerca de 160 mil membros do Partido Conservador que escolherão o próximo chefe do governo através de voto postal.

Do lado da União Europeia, a corrida à sucessão de Theresa May não muda a situação.

"Todos sabem o que está na mesa e o que está na mesa foi negociado com sucesso pela Comissão e aprovado por todos os estados-membros. A eleição de um novo primeiro-ministro não vai alterar os parâmetros do que está sobre a mesa", adiantou o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

Seja como for, acordo ou não acordo, quem vier a ocupar o número 10 de Downing Street tem pela frente enormes desafios.